quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Do medo


Todos temos os nossos medos. Todos. Medos diferentes, uns maiores do que outros, mas todos os temos. Eu tenho os meus medos, apesar de tentar transparecer uma imagem de força e de que está sempre tudo bem. Tenho medo da doença. Medo e um profundo respeito. Tenho medo de ficar doente, de perder as minhas capacidades físicas e mentais, a minha autonomia e ficar presa a uma cama, dependente dos outros. Tenho medo do sofrimento que doença provoca. Tenho medo de não conseguir enfrentar esse sofrimento. Não tenho medo da morte. Quando tiver que vir, a única coisa que peço é que seja rápida e indolor.

Tenho medo da perda. Tenho medo de perder quem mais amo. Tenho medo de perder quem mais amo sem lhes conseguir dizer precisamente isso, o quanto os amo e quanto são importantes e fulcrais na minha vida. Tenho medo de ser só. Não de estar só. De ser só, que é diferente. Tenho medo de chegar aos meus últimos dias e ter mais sonhos do que memórias, seria sinal de que deixei muito por cumprir.

Tirando isto, não tenho assim outros grandes medos. Não tenho medo das desilusões nem dos fracassos pois eles fazem parte da vida e, de uma forma ou de outra, conseguimos ultrapassá-los. Não tenho medo de não conseguir, sei que se não for à primeira há-se ser à segunda ou à terceira ou à quarta. Sei que a vida não são só vitórias, há ainda muitas derrotas à minha espera e, apesar de me fazerem sofrer, sei que também me farão crescer, como fizeram até agora.

Os meus medos, os verdadeiros, são os que referi acima e esses não posso controlar. Quanto aos outros, vou relativizando e ultrapassando, não deixando que eles condicionem o meu viver


8 comentários:

  1. Bem verdade essas palavras. E calham bem para o que tem acontecido na minha família ultimamente. As doenças. Doenças que fazem as pessoas mudar radicalmente. E custa tanto ver! Isso sim dá medo. Só posso concordar. *

    ResponderEliminar
  2. Desde já desejo muito boa sorte para este novo projecto, espero que o blogue corra muito bem! Gostei imenso do texto, palavras extremamente fortes e intensas :)

    http://ummarderecordacoes.blogs.sapo.pt/

    ResponderEliminar
  3. Bom, já sigo o teu novo cantinho, e desejo que cresça imenso e corra bem. Quanto ao texto, gostei. está forte e sentido.

    ResponderEliminar
  4. Muito bem, gostei deste texto :D realmente não vale a pena ter medo das desilusões pois elas vão sempre existir e nós, mais cedo ou mais tarde, teremos de as enfrentar :)

    ResponderEliminar
  5. Olá..
    Voltei recentemente aos meus cantinhos e gostava que se possivel os visitasses e partilhasses. Foi remodelado e traz novidades que penso puderem te agradar.

    Não custa muito e eu agradeço-te mil vezes, eheh.

    http://lilianasstudio.blogspot.pt
    Numa estudio em Odivelas/ Lisboa

    Beijinhos ^_^

    ResponderEliminar
  6. Também tenho medo de perder as pessoas que amo e que me aconselham e me apoiam em todas as situações da minha vida. Não são muitas, são muito poucas, mas são muito especiais e não vejo a minha vida sem elas.

    ResponderEliminar
  7. Partilho da tua opinião, sempre fui fã da frase que diz "o que me assusta não é a morte, mas a forma de morrer".

    ResponderEliminar