quarta-feira, 4 de março de 2015

O grande (des)amor da minha vida


O grande amor da minha vida foi, também, o grande desamor da minha vida. Foi o melhor e o pior. O que mais me deu e o que mais me tirou. O que mais me mudou.

O grande amor da minha vida nunca teve a noção de que o foi. Se soubesse, se tivesse essa certeza, não teria feito o que fez. Ou então teria feito, exactamente, tudo o que fez. O grande amor da minha vida era um princípe. Encantado. Só lhe faltava o cavalo branco. Mas isso não tinha importância. No entanto, o princípe, sem cavalo branco, sorriso de menino e coração mau, era, afinal, um sapo disfarçado. Bem disfarçado. Demasiadamente bem disfarçado.

O grande amor da minha vida não o soube ser. Não mereceu essa condição que eu lhe dei. O grande amor da minha vida fez do meu coração um tabuleiro e jogou com os meus sentimentos. De forma suja. Com muita batota à mistura. E, no final, ganhou. E levou tudo o que em mim havia. O amor, que era só dele. O sorriso, que era por ele. Os versos insanos que, tantas e tantas vezes, lhe escrevi.

Graças a ele, ao grande amor da minha vida, perdi a auto-estima. Senti vergonha de mim. Fui humilhada. Mal tratada.

Graças a ele, ao grande amor da minha vida, vi o meu coração transformado em pedaços. Pedaços pequenos, muito pequenos, difíceis de voltar a colar.

Graças a ele, ao grande amor da minha vida, perdi a vontade de sorrir, a vontade de acreditar, a vontade de viver até.

Graças a ele, ao grande amor da minha vida, fechei o meu coração. Por tempo indeterminado. E já lá vão alguns anos. E ele continua fechado. Com medo. Sim, com medo. Porque deu muito trabalho restaurá-lo. Porque foi um processo doloroso e demorado. E pensar sequer na possibilidade de ele voltar a quebrar provoca-me arrepios.

Graças a ele, ao grande amor da minha vida, quase desisti de mim. Quase. Mas, um dia, como que por magia, decidi reerguer-me. Decidi não mais ter pena de mim. Decidi e percebi que a pessoa mais importante da minha vida sou eu. E que ninguém, ninguém, nem o grande amor da minha vida, tem o direito de me anular.

Reergui-me. Lutei para voltar à superfície. Consegui. Com muito esforço, com muita determinação, com muita força de vontade. Consegui reinventar-me. Consegui recuperar a minha auto-estima. Consegui voltar a gostar de mim, mais do que antes, mais do que nunca. Consegui voltar a sorrir. Por isso, e apesar de tudo, agradeço-lhe. Porque se não fosse esse grande amor da minha vida, eu não seria a mulher forte que sou hoje. Se um dia voltarei a conseguir amar verdadeiramente outro grande amor? Não sei. Apenas sei que, o grande amor da minha vida já não o é.


19 comentários:

  1. Kate, não conhecia o teu blogue. Parei aqui por acaso, sou honesta. E fiquei. Este post podia perfeitamente ter sido escrito por mim. Voltei a encontrar o amor. Só não sei se é o amor da minha vida.

    ResponderEliminar
  2. Todas nós temos o nosso grande primeiro amor.
    Adorei o texto *

    ResponderEliminar
  3. Nunca passei por uma situação igual mas acredito que não seja falta. Ainda bem que te reergues-te :) agora é perderes o medo e confiares em TI e nos que TU sentes! :)

    ResponderEliminar
  4. Humm, um dia também achei que o grande amor da minha vida era uma pessoa assim, com quem vivi tudo e me tirou tudo. Mas hoje, naquilo que a distância me permite ver, sei que o grande amor das nossas vidas nunca pode ser uma pessoa que nos fez mal. Hoje, tenho o meu noivo, uma pessoa linda por dentro, por fora e na forma como me trata e cuida do nosso amor. O outro teve 13 anos de história (13!!! e eu só tenho 29) e nunca tive certezas, porque a instabilidade emocional de uma grande paixão, de algo louco (aquilo a que eu chamava amor profundo) nunca o iria permitir. Este tem um 1 ano e dois meses e tenho todas as certezas do mundo, vamos casar no próximo ano (algo que nunca pensei fazer) mas tenho a certeza que é com ele que quero partilhar todos os dias da minha vida, tenho a certeza que é o meu grande amor,confio nisso cegamente. Um dia sei que vais dizer o mesmo, porque o grande amor não nos maltrata, não nos desvaloriza, não nos desrespeita, o grande amor cuida de nós com um carinho e uma ternura inexplicáveis, mas isso é algo que só percebemos quando acontece.

    ResponderEliminar
  5. Bem. Que palavras mais sentidas. Mas ainda bem que o ser humano é capaz de retirar alguma lição das piores situações que nos acontecem ao longo da vida. Felizmente nunca passei pelo mesmo. Mas acredito que a única cura é mesmo o passar do tempo e a força de vontade ;)

    ResponderEliminar
  6. Eu passei por algo parecido, o meu primeiro amor abalou-me demasiado, de uma forma demasiado violenta. Mas por outro lado é algo que guardo bem cá no peito, porque foi tão bom, com altos e baixos, que não quero esquecer. Nunca

    ResponderEliminar
  7. Sabes o que dizem? Se partiu para dar lugar a outro, então o amor da tua vida ainda está para vir. É nisso que acredito. Se alguém vier, não te feches, não vejas esse amor antigo como um exemplo. Vais amar de novo, que eu sei! :)

    ResponderEliminar
  8. Adorei estas palavras e tenho a certeza que a vida te reserva um amor ainda maior que te vai amar de verdade e fazer-te ver que afinal o teu maior amor ainda estava por vir :) já não és a mulher que eras e isso é certo portanto acho que quando for para amar de novo as coisas vão ser muito melhores.

    ResponderEliminar
  9. Aprendeste e isso foi e é digno de uma grande mulher !
    : )

    ResponderEliminar
  10. Arrepiei-me com este texto mas adorei a conclusão, é assim mesmo querida!!


    *Beijinhos*
    Caty<3
    http://myfairytale4.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  11. Este texto poderia ter sido escrito por mim! Infelizmente acontece a muita gente e custa, custa muuuito até nos reerguermos de novo! Mas uma coisa é certa, quando nos reerguemos a nossa força é de 200%!! E não tenhas medo de arriscar, eu arrisquei e agora sou muuito feliz!


    Beijinho*

    ResponderEliminar
  12. Claro que vais conseguir, só tens de o permitir. Força*

    ResponderEliminar
  13. Chorei ao ler o texto e tu sabes porquê... O pior da reconstrução do coração são as lembranças dos tempos felizes com esse grande amor e o sentimento de culpa que perdura.
    Beijinhos*

    r: Obrigada Kate :))

    ResponderEliminar
  14. R: mesmo querida, é muito mais fácil pois podemos debater ideias e darem-nos sugestoes :')


    *Beijinhos*
    Caty<3
    http://myfairytale4.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  15. Dá para ver que ainda estás magoada com tudo o que passaste. Tenho a certeza que vais acabar por conhecer o teu verdadeiro amor da tua vida :)

    http://ummarderecordacoes.blogs.sapo.pt/

    ResponderEliminar
  16. Revi-me totalmente nas tuas palavras, eu também pensei ter encontrado o amor da minha vida e já passei por essa fase de apatia em que parece que nada vale a pena. Mas nisto dos desgostos amorosos, o tempo é mesmo o nosso melhor amigo :)

    ResponderEliminar
  17. As palavras sao bonitas,ja os actos ;) take care dear Kate ;)

    ResponderEliminar
  18. o que é preciso é ter força para continuar...quem sabe o grande amor ainda está para vir.

    Isabel Sá
    https://brilhos-da-moda.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  19. Como tu tão bem disseste, ele não soube ser. Mas vai alguém que vai saber, alguém que vai fazer tudo para entrar de mansinho no teu coração para la fixar raízes, alguém que te vai amar e respeitar e que te vai fazer sentir segura. Alguém que vai merecer o título de amor da tua vida porque esse que falas certamente não o fui nem merece ser conhecido como tal. O rapaz que falas no texto foi o desamor da tua vida. O amor da tua vida ainda está para chegar e não merece dividir títulos com uma pessoa tão vil como a que descreveste.

    ResponderEliminar